quinta-feira, 16 de março de 2017

Esta 6ª feira na TVI


E agora um post mais sério...
Há 3 ou 4 dias contactaram-me da TVI a perguntar se eu não me importava que viessem cá a casa fazer uma reportagem e se não me importava de estar presente no programa da Fátima Lopes, na próxima 6ª, ao final da tarde. O tema da reportagem e da entrevista está relacionado com facto de ter sido eu a ficar em casa, de licença, para estar com o Simão. Parece que alguém da redação da TVI leu este blogue e achou curiosa e engraçada a nossa abordagem, e a nossa rotina com os miúdos.

O assunto em si tem alguns aspectos que não me deixam de surpreender. Percebo que ainda seja, por motivos sociais e biológicos (desde logo a amamentação...), mais comum ser a mãe a ficar em casa durante a licença. O que me faz mais confusão é que seja "normal" assumir que o pai não o conseguiria fazer. É verdade que muitos de nós, pais, também nos pomos a jeito (e dá jeito) para que surja essa assumpção. "Ah, adormece-o tu que fazes isso melhor do que eu", "Ele está a chorar !! Vê lá se percebes o que é que se passa!!" ou " Muda-lhe tu a fralda porque eu fico agoniado com o cheiro.", são frases que a grande maioria dos pais já disse e que achamos perfeitamente normais; mas que acharíamos muito peculiares (e lá vinha logo aquela sobrancelhazinha levantada a puxar à crítica social) se as ouvíssemos da boca de uma mãe.
Epá, ninguém gosta do cheiro a cocó!!! Nem pai, nem mãe!! Confesso que quando vou mudar uma fralda e o Simão tem cocó até ao pescoço, não é propriamente naquele momento que mais gosto dele e o acho mais querido. Mas, raios, estamos a falar de mudar uma fralda! E quando um bebé chora, normalmente é porque tem fome ou sono. Não se trata de física quântica nem de uma ciência oculta!

A minha mulher tem uma resposta típica sempre que eu estou a puxar o lustro ao meu ego e, com a humildade e modéstia que me caracteriza, lhe digo coisas como: "Olha para o teu marido a tratar tão bem dos míudos!! Homens como eu não crescem nas árvores!!" ou "Já jantaram e dei-lhes banho. Saíu-te a sorte grande, quando arranjaste um marido assim!!!". Normalmente ela responde-me: "Não fizeste mais do que a tua obrigação"...
E é verdade. Não fiz mais do que a minha obrigação.
(No fundo,no fundo, eu acho que ela deveria agradecer todos os dias a dávida de ter um marido como eu, mas pronto...)
E assim, lá vou eu, amanhã, para a TVI falar sobre a árdua tarefa de ser pai...